terça-feira, 14 de setembro de 2010

Um sermão a balançar no peito!


Na Festa de Exaltação à Santa Cruz que celebramos hoje, este texto de Pe. Zezinho, scj, nos ajuda a  pensar e viver a nossa fé na Cruz Redentora de Cristo! Vale a pena conferir!                


Um sermão a balançar no peito! 
Pe. Zezinho, scj

                  "Faz 50 anos que carrego um sermão pendurado no pescoço. Decidi aos 18 anos que assim o faria. E é o que tenho feito. Eu levo uma cruz comigo. Em geral, por cima da camisa.
                Além da cruz no peito, tenho várias outras em casa. Você também as tem. Há quem não as leve, nem as tenha. Direito dele, direito nosso!
                Não sei por que você as tem ou leva, mas imagino que suas razões sejam as mesmas que as minhas. É questão de fé. Não é para me exibir. É para testemunhar a quem quer que me veja com aquele metal a balançar no meu peito que acredito na pessoa, na vida e na morte de Jesus de Nazaré a quem vejo como o Cristo, e, indo mais longe, a quem adoro como filho de Deus. Direito meu! Se alguém não crê, direito dele!
                Já fui contestado por causa da cruz no meu peito. Há quem diga que é lúgubre e que cultivo a morte e a derrota. Segundo ele, eu deveria levar uma frase que proclame a ressurreição e a vida, ou uma imagem de Cristo ressuscitado. Opinião dele! Eu tenho a minha! Ele sabe por que não leva uma cruz nem a tem na sua casa.
                Eu respeito e não discuto suas razões. O peito é dele e a casa é dele! Mas se ele não sabe por que eu levo uma cruz ao peito e tenho outras em casa e no meu carro, eu sei!
                 Não levo cruzes para dizer onde Jesus está e sim para dizer onde ele esteve e de que jeito encheu de esperança milhões de crucificados.
                 Se até alguém inocente e puro como Jesus acaba na cruz, então todas as cruzes podem ter um sentido e todos os crucificados podem transformar sua derrota em vitória, porque dois dias depois, de madrugada, ele tinha vencido a cruz e a morte.  Tinha ressuscitado!
                 Na minha teologia cruz e ressurreição não se opõem. Antes, complementam-se. Foi ele quem disse que quem não levasse a própria cruz e, de quebra, a dos outros não seria digno dele. (Mt 10,38 )
                 Acredito nos crucificados, acredito nos descrucificadores. Só não acredito em crucificadores, os que tudo fazem para esmagar e destruir os outros.
                É por isso que levo uma cruz comigo. Contra ou favor, espero que quem me vir de cruz no peito se pergunte porquê. É meu jeito de não permitir que o mundo esqueça o que fizeram com Jesus e o que fizeram e fazem com milhões de homens, mulheres e crianças mundo afora. (1 Cor 1,17) O mundo é uma gigantesca indústria de cruzes. E os violentos e maus se encarregam de nunca deixá-las vazias.
                É meu grito de protesto contra todos os crucificadores de plantão. É também meu grito de gratidão pelo que Jesus fez em favor dos feridos e oprimidos. Ele disse que daquela cruz atrairia todos a ele. ( Jo 12,32 ) E atraiu bilhões de almas.
                Quem não quiser levar uma cruz, não leve! Quem não a quiser ter em casa, não tenha. Eu levo e tenho. Foi Paulo que disse que a cruz é vergonha só para os pagãos.  Para nós é sinal de coragem e de solidariedade.
Entre Pilatos, Anás e Caifás e Simão Cireneu eu fico com Simão Cireneu. Os três primeiros comandaram a crucificação de Jesus. Simão ajudou a levar a cruz daquele que até hoje ajuda milhões a carregarem suas cruzes cotidianas.
                Isto mesmo! Pendurei uma cruz ao meu pescoço! E aqui, ela balançará enquanto Deus me der uma réstia de vida. Minha cruz fala até quando eu fico quieto!  É meu sermão silencioso que diz o tempo todo: não esqueçam as dores do mundo!"

3 comentários:

Rodrigo disse...

Como é bom ser dehoniano...
E ter uma cruz tão especial em meu pescoço.
Belissimo texto confradi
Abraços

Sem. Rodrigo Santiago,scj

Edilene disse...

Este texto me fez refletir, principalmente quanto a ajudar o irmão a carregar sua cruz, muitas vezes acreditamos que nossa cruz é a mais pesada, egoismo, puro egoismo.
Obrigada por esta reflexão, decidi que devo copiar Simão.Deus ilumine sempre. Abraço.

Paulyene disse...

Irmão! Como é importante perceber que podemos sim ultrapassar a cruz das dores da nossa vida, assim como fez o Inocente Jesus, nosso Salvador!!

Gratidão por essa reflexão e por levar Deus pra nós irmão!

te amoooo! Morro de saudade!!